Transdisciplinaridade

O que é Transdisciplinaridade? Por quê? Para quê?

Transdisciplinaridade é um nome bem grande para uma idéia complexa, mas não complicada.
A idéia básica da transdisciplinaridade é que na vida, a realidade não é fragmentada, dividida em disciplinas.
Por exemplo, você já viu alguma parte da sua vida onde a matemática mora? Onde só existem conteúdos da área de matemática???
Sim, a matemática está presente na hora em que compramos frutas na feira, mas ela não está sozinha lá. Está intimamente interligada às pessoas que fazem a feira, aos seus contextos sociais, às frutas e seus sabores, seus valores nutritivos, está ligada à forma particular dos feirantes se comunicarem, etc…
Ou seja, não é  possível, na vida real, separarmos a matemática de qualquer outra disciplina.
Assim podemos também pensar a respeito das demais disciplinas. A linguagem não existe se não comunica exatamente o que as outras disciplinas possuem de conteúdos ou os nossos sentimentos, pensamentos e impressões.
Na vida real as disciplinas nunca estão separadas, fragmentando a realidade. Por isso a vida é bela! Cheia de significados que atribuímos a cada momento, na interação com nosso ser interior, com as pessoas em geral, com o ambiente físico e a natureza.
Então, por que na Escola separamos tudo??? Muitos dizem: “Ora, para ser mais fácil ensinar!”
Mas então eu pergunto: “Mas por que aprendemos os saberes fragmentados se na prática precisamos utilizá-los na vida, onde nada está separado?”
Qual o sentido de tanta fragmentação? Sabe, as conseqüências do processo de hiper disciplinarização, propagado pelas estruturas escolares, são bastante visíveis na sociedade.
Se aprendemos conteúdos descontextualizados da vida, desligados de outros conteúdos de áreas diferentes do saber, acabamos por acreditar que a vida, para ser organizada, precisaria ser também fragmentada.
Mas, refletimos então: o mundo, a sociedade atual são exemplos de organização??? Não!!!
Ao contrário, parece-nos que a fragmentação excessiva nos leva a ter posturas de distanciamento para com os outros seres humanos e para com a natureza. O que seria decorrente dessa educação fragmentada.
Não é difícil percebermos exemplos reais dessa transposição da educação fragmentada para nossos modos de ser no mundo:
1-      Nos fragmentamos internamente. Nosso pensamento é uma coisa, nosso sentimento é outra e nossas ações são uma terceira. O ser humano, que deveria ser coerente, inteiro, íntegro, não é. Muitas vezes pensamos mas não agimos de acordo com o que pensamos. Outras vezes sentimos e não agimos de acordo com nossos sentimentos. Somos divididos por dentro. Deixamos de ser indivíduos, pois essa palavra quer dizer in-diviso, ou seja, o que não pode ser dividido.
2-      Nos separamos de nossos semelhantes. Nossa família humana é repleta de discriminações de todo tipo. Nos distanciamos das pessoas que convivemos diariamente e muitas vezes preferimos a companhia da televisão e do computador do que a companhia de nossos vizinhos ou colegas. Sempre olhamos para o nosso semelhante com desconfiança e isso faz com que nos distanciemos uns dos outros. Quantas vezes você já viu um pedestre mudando de calçada para evitar passar junto a um pedinte na rua? Evitamos o contato direto com as pessoas pobres, miseráveis ou mesmo com nossos vizinhos.
3-      Nos separamos da Natureza. Hoje em dia as pessoas das grandes cidades parecem que vivem em outro planeta, não na Terra. Raramente têm contato com as plantas, animais selvagens, com a terra molhada. As crianças dessas cidades tem medo de pisar no chão de terra, na areia. Não conhecem as frutas, mas tomam seus sucos industrializados, nunca viram uma vaca ou uma galinha. Pessoas criadas assim, quando se tornam adultos no mundo do mercado, não vêem nenhum problema em degradar o ambiente para gerar lucros para sua empresa. Essas pessoas nunca tiveram contato com a natureza, como poderiam aprender a respeitá-la e amá-la?
Como resultado de toda essa educação descontextualizada, acabamos por construir uma sociedade em crise. Hoje em dia temos mais conhecimento que nunca antes em toda a história da humanidade, mas ainda não sabemos como resolver problemas que nos atormentam desde os primórdios, como por exemplo, a fome e a miséria, ou como podemos prever e nos proteger de catástrofes naturais.
Para que tanto conhecimento fragmentado se não conseguimos colocá-lo em prática na vida???
Crescemos na criação de tecnologias antes inimagináveis, mas não sabemos evitar ou nos proteger de enchentes, secas, terremotos e tsunamis. Não sabemos evitar que pessoas morram de fome e de sede em todas as partes do mundo.
É de todo esse contexto que emerge a proposta Transdisciplinar em educação. Na busca por um mundo melhor, onde as pessoas, aprendendo na interação e não na fragmentação, possam ser mais íntegras e coerentes internamente, possam valorizar e respeitar o meio ambiente, nossa Terra, nossa casa, e que possam saber conviver com seus semelhantes, construindo de uma forma mais humana uma nova sociedade.
Convidamos você, professor(a), a juntar-se a esse movimento pela educação transdisciplinar. As futuras gerações irão agradecer!!!
Um grande abraço!
Profa. Patricia Limaverde Nascimento

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OS INJUSTIÇADOS – A CENSURA À MÚSICA BREGA NA DITADURA MILITAR

Relatos de um desastre anunciado

Resumo: África Pré-Colonial