Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2014

Rosane Malta "Collor tinha conta na Suíça"

Imagem
"Collor tinha conta na Suíça"
Ex-primeira-dama diz que resolveu escrever um livro sobre a vida ao lado do ex-presidente para mostrar sua versão da história. Na obra, afirma que o atual senador mandava dinheiro para o exterior e mantinha conta conjunta com o ex-tesoureiro PC Farias
por Izabelle Torres

O QUE VI E VIVI
"Queria ter tido filhos com Collor, mas ele sempre dizia que não era o momento"

A ex-primeira-dama Rosane Malta foi por 22 anos a companheira de Fernando Collor e sua cúmplice em rituais de magia negra e reuniões secretas realizadas quase sempre na Casa da Dinda, em Brasília. Separada há nove anos por meio de um divórcio litigioso, ela guarda mágoas profundas do ex-marido. Ele se recusa a dividir com ela parte do patrimônio milionário acumulado durante o casamento e a pagar a pensão alimentícia de 30 salários minimos, estabelecida pela Justiça. Depois da separação, Rosane teve depressão e conseguiu superar o pr…

"Liberdade religiosa ou crueldade?"

Imagem
Ritual hindu sacrificará 500 mil animais no sul do Nepal em 28 de novembro de 2014 às 9:59
Realizado a cada cinco anos, ritual reverencia Gadhimai, a deusa do poder Nesta sexta-feira, aproximadamente um milhão de fiéis da religião hindu se reunirão em um remoto templo ao sul do Nepal, para homenagear a deusa Gadhimai. Entre rezas, ofertas e outros rituais, o culto será marcado por um peculiar detalhe: o maior sacrifício de animais do mundo.
Realizado a cada cinco anos, o líder religioso do templo conduzirá as preces e também protagonizará um ato de oferecimento de sangue humano antes do sacrifício dos animais. O ritual segue até sábado.
Da última vez que foi realizado, em 2009, cerca de 250 mil búfalos, cabras, ovelhas e galinhas foram executados pelas espadas de religiosos, acompanhado por milhares de pessoas.
Gadhimai, a Deusa do Poder
Na religião hindu, Gadhimai é conhecida como a deusa do poder, levando seus devotos a praticarem o sacrifício animal como fo…

Em mega-operação, policiais espancam e atiram balas de borracha contra os Pataxó

Imagem
Reprodução/Cimi Uriba Pataxó informou que há muitos indígenas desaparecidos nas matas que estavam fugindo do ataque da Polícia; O representante da Funai na região, Tiago de Paula, estava na área e, segundo indígenas, também foi agredido
27//11/2014 Do Cimi
Em ação truculenta para cumprir mandado de reintegração de posse na Aldeia Boca da Mata, a Polícia Federal com apoio da Polícia Militar e Civil do Estado da Bahia, disparou balas de borracha e bombas de gás contra os indígenas Pataxó. Segundo relatos, os policiais não pouparam nem crianças e mulheres, em ação realizada por volta de 5 horas da manhã, nesta quarta-feira (26). 
Uriba Pataxó informou que há muitos indígenas desaparecidos nas matas que estavam fugindo do ataque da Polícia. O representante da Funai na região, Tiago de Paula, estava na área e segundo indígenas ele também foi agredido. “Bateram em nossos parentes, nossas crianças e mulheres. Tem índio que ainda tá perdido no mato. Che…

Historiadores traduzem unica autobiografia escrita por ex-escravo que viveu no Brasil

Imagem
Mahommah Gardo Baquaqua, nascido no Norte da África no início do século XIX, trabalhou no país antes de fugir em Nova York por Leonardo Vieira





RIO - “Que aqueles ‘indivíduos humanitários’ que são a favor da escravidão se coloquem no lugar do escravo no porão barulhento de um navio negreiro, apenas por uma viagem da África à América, sem sequer experimentar mais que isso dos horrores da escravidão: se não saírem abolicionistas convictos, então não tenho mais nada a dizer a favor da abolição.”
As palavras são de Mahommah Gardo Baquaqua, ex-escravo nascido no Norte da África no início do século XIX e que trabalhou no Brasil antes de fugir das amarras da servidão em Nova York, em 1847. O trecho consta do livro “An interesting narrative. Biography of Mahommah G. Baquaqua” (“Uma interessante narrativa: biografia de Mahommah G. Baquaqua”, em tradução livre), lançado assim mesmo, em inglês, pelo próprio ex-escravo, em Detroit, no ano de 1854, em plena campanha abolicionista nos E…

Chega de Fiu Fiu: um documentário sobre cantadas e assédio sexual

Imagem
Há pouco mais de um ano, escrevi aqui no Questão de Gênero um texto comentando os resultados de uma pesquisa realizada pelo Think Olga, em que a grande maioria das entrevistadas afirmaram não gostar de “cantadas” e disseram sentir medo. A pesquisa foi uma polêmica, mas abriu espaço para que o assunto fosse mais discutido no Brasil, e agora o Think Olga retorna com uma nova proposta: um documentário sobre o tema.
Por Jarid Arraes no Questão de Gênero
Literatura de Cordel exclusiva sobre o tema, em parceria com o Think Olga. Para receber, é necessário contribuir com o projeto, fazendo uma doação. A equipe responsável criou um projeto no Catarse, onde pedem a contribuição do público para que o documentário “Chega de Fiu Fiu” possa ser realizado, finalizado e distribuído. Em menos de 24 horas a primeira meta foi atingida, evidenciando a necessidade de se mostrar a realidade sobre as ditas “cantadas” e como são, na verdade, uma forma de violência contra as mulheres.
Por concordar…

Há 20 anos Brizola ganha da Globo num momento que entrou para História da TV brasileira

Imagem
"Cid Moreira, a voz do dono, a voz do Grande Irmão, a voz que surgiu do AI-5, voltou-se contra si mesma. Foi um daqueles momentos que servem como símbolos, como instantâneos da história. Cid Moreira falou, e falou e falou, contra Roberto Marinho. Foram três longos minutos, contra a Globo, no Jornal Nacional. O redator era Leonel Brizola, que ganhou direito de responder ao ataque que havia recebido do mesmo Jornal Nacional, que o chamou de senil."
https://www.youtube.com/watch?v=ObW0kYAXh-8

THE WALL : ASPECTOS DA VIOLÊNCIA SIMBÓLICA NA EDUCAÇÃO (Cínthia Morelli Rosa)

Imagem
Cínthia Morelli Rosa 440

“O Sexo e as Nega”. Amanhã, o que será?"

Imagem
Semana da Consciência Negra O racismo se mantém no espaço midiático O contexto ´é de baixa representação e estigmatização da população negra brasileira. Hoje, denunciamos o seriado “O Sexo e as Nega”. Amanhã, o que será? o Atrizes do seriado O Sexo e as Negas, exibido pela Globo *Por Cecília Bizerra Mais um 20 de novembro e seguimos em resistência, seguimos em urgente e necessária luta. Porque os estigmas, estereótipos e representações sobre o feminino negro nos mais diversos espaços, sobretudo na mídia, se repetem, se atualizam e se recriam. Não só em termos de conteúdo, mas também de apresentação e articulação, encontrando ressonância, inclusive, entre os nossos parceiros de militância, como aconteceu recentemente com o deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ).
O deputado Jean recebeu críticas de quem luta contra a estereotipação do corpo da mulher negra. O parlamentar concordou com a representação cultural que continua a colocar os corpos femininos negros num lugar de hip…

Como os bandeirantes paulistas destruíram o Quilombo dos Palmares e mataram Zumbi

Imagem
(A Guerra dos Palmares, óleo de Manuel Vítor, 1955) Em seu afã de continuar a escrever a história sob a ótica dos vencedores, autores de direita têm se notabilizado por divulgar que no Quilombo dos Palmares também havia negros escravizados. Uma “descoberta” que não chega nem a ser novidade: já aparece no clássico O Quilombo dos Palmares, do baiano Edison Carneiro (1912-1972), publicado em 1947 (leia aqui). “Os escravos que, por sua própria indústria e valor, conseguiam chegar aos Palmares, eram considerados livres, mas os escravos raptados ou trazidos à força das vilas vizinhas continuavam escravos. Entretanto, tinham uma oportunidade de alcançar a alforria: bastava-lhes levar, para os mocambos dos Palmares, algum negro cativo”, diz o livro.
Mas qual seria o interesse da direita em desmerecer os quilombos, especialmente Palmares, como sociedades em que os negros podiam ser livres do domínio branco, chefiados por si mesmos e com suas próprias regras e leis? A primeira inten…

Brasil tem 155 mil pessoas em situação de escravidão, diz ONG

Imagem
Escravidão moderna afeta quase 36 milhões de pessoas no mundo Quase 36 milhões de homens, mulheres e crianças - 0,5% da população global - vivem em situação de escravidão moderna no mundo, segundo levantamento divulgado nesta segunda-feira pela organização de direitos humanos Walk Free Foundation. O Brasil, apesar de ter um dos menores índices de escravidão do continente americano (atrás de Canadá, EUA e Cuba), ainda abriga 155,3 mil pessoas nessa situação, que abrange desde trabalho forçado ou por dívidas, tráfico humano ou sexual até casamentos forçados, em que uma das partes é subserviente.
"Depois da Europa, o continente americano é a região com a menor prevalência de escravatura moderna no mundo. Ainda assim, cerca de 1,28 milhão de pessoas (no continente) são vítimas de escravatura, na sua maioria por meio do tráfico sexual e exploração laboral, (sobretudo) trabalhadores agrícolas com baixas qualificações e elevada …

Visão caricatural da escravidão contribui para a persistência do problema, dizem pesquisadores

Imagem
Ricardo Rezende Estudiosos reunidos em encontro realizado em São Paulo destacaram que ideia do escravo preso a correntes impede o reconhecimento dos mecanismos sutis de servidão, inclusive por parte da Justiça
14/11/2014
Por Thais Brianezi

Da Repórter Brasil
A 7ª Reunião Científica sobre Trabalho Escravo Contemporâneo e Questões Correlatas, iniciada em São Paulo na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) na última quarta-feira, 11, aponta um grande desafio para a erradicação dessa prática criminosa no Brasil: desfazer a imagem caricatural que grande parte da nossa sociedade, inclusive muitos juízes, tem em relação à escravidão contemporânea.
Não é uma tarefa fácil. E um exemplo da dificuldade está no levantamento feito por Mariana Armond Dias Paes, mestre em Direito pela Universidade de São Paulo (USP). Em sua dissertação, ela analisou 52 apelações criminais ao Tribunal Regional da Primeira Região (TRF-1) relativas a decisões de …