Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2015

O Enem e a falácia da “doutrinação”.

Lembrou na edição desse domingo, 25 de outubro, a insuspeita jornalista econômica Miriam Leitão, que nesses 30 anos, avançamos em três áreas importantes: democracia, estabilidade e inclusão. E que voltar atrás é inaceitável.


No sábado, dia 24, a prova de Ciências Humanas do Enem, cujas questões são formuladas por um pool de professores das 57 universidades públicas do país, deu um banho de democracia, estabilidade e inclusão, elencando para os jovens postulantes a uma vaga no ensino superior, questões sobre a terceira revolução industrial e a desterritorialização da produção ( o que lembra o quanto é bem vinda a multietnicidade dos produtos ao mesmo tempo em que renascem os discursos racistas quanto a pessoas), sobre a moda dos selfies e o narcisismo epidêmico das sociedades urbanas contemporâneas, sobre o desencantamento e a racionalização em Max Weber, sobre a precaução necessária com o transgênicos, sobre a luta histórica pela igualdade de gêneros, sobre os condicionamentos sociais…

Reflexão:

Imagem
O maior problema da educação do Brasil
Metade dos jovens entre 15 e 17 anos não está matriculada no ensino médio. Pesquisa inédita mostra que a proporção dos que abandonaram a escola nessa etapa saltou de 7,2% para 16,2% em 12 anosJoão Loes Não é sempre que apenas uma estatística basta para dar um bom panorama da realidade. O mais comum é que seja preciso esmiuçar diversos números e informações para realmente compreender o que está em jogo. Quem se debruça sobre o ensino médio brasileiro, porém, se depara com uma única estatística que parece sintetizar, de forma clara, a desastrosa situação desta etapa da educação: a taxa de evasão escolar. Uma nova pesquisa da Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade), com base em informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios do IBGE, revela que apenas metade dos jovens com idade entre 15 anos e 17 anos está matriculada no ensino médio. Pior: entre 1999 e 2011, a taxa de evasão nesta faixa mais que dobrou, saltando de 7,2% p…

Apropriação cultural sob uma análise marxista

Imagem
Crédito: Marina Rabelo Por , originalmente no seu blog Um modo de vida contra o medo da vida. (Esta contribuição ao debate foi feita como crítica a outro texto, intitulado “Apropriação cultural e marxismo”). Escrevo esse texto para pensar sobre a questão da apropriação cultural, que tem se debatido muito no movimento negro com o qual tenho tido contato. É uma resposta ao texto do companheiro da Juventude Marxista sobre o mesmo tema. Apesar de concordar que se deve criticar, de um ponto de vista marxista, alguns conceitos de certas correntes do movimento que desconsideram a totalidade social da luta de classes, também é importante combater um marxismo vulgar e dogmático que não ajuda a esclarecer os problemas da relação entre cultura, raça e classe no Brasil hoje.Pretendo, portanto, fazer uma análise da questão da apropriação cultural, explicitando como o método marxista, usado corretamente, é a ferramenta para compreender a questão. Não vou entrar em todos os temas tratados n…