SEM EFEITO

Para professor da USP, reorganização escolar não vai melhorar qualidade de ensino
Ocimar Munhoz afirma que a medida proposta pelo governo Alckmin busca tirar atenção do baixo desempenho das escolas estaduais

141674-high.jpeg
Docente lembra que a medida aplicada por Alckmin já foi utilizada em outro momento, o que não deu bom resultado
São Paulo – O professor Ocimar Munhoz, da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP), avalia que a chamada reorganização do ensino anunciada pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), não vai resultar na melhoria da educação pública do estado. Em entrevista à repórter Camila Salmazio, da Rádio Brasil Atual, ele diz que separar os alunos por faixa etária desvia a atenção do baixo desempenho que as escolas estaduais paulistas vêm demonstrando nos últimos anos.
“Na verdade, o pano de fundo, embora não foi anunciado abertamente, é o baixo desempenho dos alunos na rede estadual. A melhoria desse desempenho não passou pelas apostilas, não passou pelo bônus, e não existe nenhum balanço sobre essas medidas. Agora é apresentado o agrupamento dos alunos como solução.”
O governo alega que as escolas que possuem apenas uma das etapas do ensino fundamental ou ensino médio tiveram um rendimento de 28% superior às demais no Idesp de 2014. Entretanto, Munhoz afirma que o foco no aprendizado do aluno por meio acompanhamento e o fim de contratos precários de professores são medidas que poderiam melhorar a qualidade do ensino. “A melhoria do aprendizado dos alunos vem dos professores que estão com o contrato precário, e depois o processo de acompanhamento desses alunos. Nesse sentido não foi feito nenhum tipo de mudança.”
Das 94 escolas cujo fechamento em 2016 já foi anunciado, 30 delas tiveram rendimento superior à média do estado no Índice de Desenvolvimento da Educação de São Paulo (Idesp). Outras 15 unidades que estão na lista de fechamento já abrigavam apenas um dos ciclos de ensino, como propõem as mudanças.
Em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, o secretário da Educação, Herman Voorwald, disse que a reorganização vai proporcionar mais estrutura aos alunos, como laboratórios e bibliotecas. Porém, essa não é a realidade da maioria das 1.443 unidades em todo o estado que já são de ciclo único.
O professor da USP lembra que a medida aplicada por Alckmin já foi utilizada em outro momento, o que não deu bom resultado. “São Paulo já teve uma grande reorganização no final dos anos 90, apresentada como solução, e os indicadores não melhoraram. Então, não tem balanço das medidas já feitas para poder tirar as eventuais lições e a partir disso poder melhorar as iniciativas.”
Um dos possíveis efeitos colaterais do fechamento das unidades e da transferência de 311 mil alunos de suas escolas atuais é a evasão escolar, segundo o professor. “É um efeito colateral da medida. As crianças de uma única família que estudam em uma escola só terão que se deslocar para duas ou três escolas, se isso não gerar evasão, pode gerar um desconforto e desorganização na vida das pessoas.”
O secretário mencionou que a política salarial dos trabalhadores da educação é uma das prioridades de sua gestão, porém, neste ano, após enfrentar 92 dias de greve, considerada a maior da história, a secretaria não anunciou o reajuste da categoria previsto para 1º de julho.
“O estado de São Paulo, por ser o mais rico da federação, já era pra ter melhores condições de acompanhamento, e pior, ficou com a marca de falta de diálogo, então, se tem mais contestações da medida, e não um debate sobre a implementação.”
Com a reorganização proposta pelo estado, 43% da rede de ensino estadual passa a ser de ciclo único. O governo afirma também que as 97 unidades fechadas serão ofertadas ao município, e vão abrir outros equipamentos voltados à educação.
Ouça:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OS INJUSTIÇADOS – A CENSURA À MÚSICA BREGA NA DITADURA MILITAR

Relatos de um desastre anunciado

Resumo: África Pré-Colonial